Facebook

Siga o Guia do TRC – Fique informado e atualizado sobre o setor de Transportes.

29/11/2016
Cuidado com a marcha a ré na "Wanderléia", por Rubem Penteado de Mello*

Para semirreboque com eixo distanciado (carreta “Wanderléia”) a condição de “autodirecional” é proporcionada pela instalação da “rala giratória” em um dos eixos (normalmente o 1º). O mecanismo desse eixo é dotado de sistema de auto-alinhamento quando em movimento retilíneo à frente. Durante uma manobra o eixo executa o esterçamento unicamente por força do atrito dos pneus com o pavimento, e alinha-se automaticamente quando o veículo retorna ao movimento retilíneo para frente.

Esse auto-alinhamento se dá em função da excentricidade entre o centro do eixo e o centro da rala giratória. Como o centro do eixo está posicionado para trás do centro do giro da rala, ele se alinha automaticamente no movimento retilíneo à frente (como as “rodinhas” de um carrinho de supermercado).

No entanto, em movimento reverso (marcha à ré), o eixo autodirecional deve ser automaticamente levantado. Caso contrário tenderia a girar 180º em função dessa excentricidade, o que por questões construtivas seria impossível. Quer esteja vazio ou carregado, ao engatar-se ré, o 1º eixo é automaticamente levantado.

 Até aqui tudo certo!

No entanto, é importante saber que: ao levantar-se o 1º eixo na condição carregado,elimina-se um apoio no piso, e a estrutura da carreta passa a ser submetida a esforços muito maiores que na condição com os 3 eixos no piso.

Praticamente dobra-se o Momento Fletor na região, e o ponto crítico desloca-se pouco para trás, conforme ilustra o gráfico acima (em azul com 3 eixos no piso e em vermelho com 1º eixo suspenso).

Para as carretas convencionais (com chassi) pode-se observar uma deformação extra (o chassi “sela”), mas normalmente retorna quando o 1º eixo volta para o piso.

No entanto, o maior risco está nos tanques longos autoportantes e de parede fina!

Ao levantar-se o 1º eixo com o tanque carregado, praticamente dobram-se as solicitações na região central do tanque. O aumento das tensões pode provocar, nessa região, desde pequenas trincas até a ruptura do costado.

O grande risco de colapso tem como início a região superior do costado do tanque. Explico: dependendo da intensidade da compressão no topo do tanque, pode ocorrer a flambagem (“buckling”). Ao deformar-se no topo, provoca-se o colapso da região inferior, abrindo o costado do tanque e vazando toda a carga!.

Recomenda-se que os projetos considerem essa situação e reforcem a região central desses tanques, com utilização de chapas de maior espessura ou com chassi externo.

 O que podemos recomendar para os condutores:

 - Evite suspender o eixo ou engatar marcha à ré na condição carregado de qualquer carreta com eixo distanciado;

 - Semirreboque tanque com parede fina e eixos distanciados: jamais execute marcha à ré (ou suspenda o 1º eixo) na condição carregado.

 Fica o alerta!

 Mais informações:    www.trs.eng.br     contato@trs.eng.br

 MSc. Eng. Rubem Penteado de Melo

Fonte: O Autor

SERVIÇOS
COLUNISTAS

Richard Krabbendam

Safety expert Richard Krabbendam warns of what can go wrong if the laws of physics are ignored – and provides a checklist of measures to help ensure safe lifting operations. continuar lendo»

Rubem Penteado

É prática comum no mercado a utilização de carreta fabricada para um determinado tipo de caminhão trator, engatada em outro tipo de cavalo-mecânico, como os veículos de tração são mais conhecidos. continuar lendo»

Neuto Gonçalves

O custo logístico brasileiro passou a representar 11,9% do PIB nacional em 2015, mantendo uma tendência crescente que vem desde 2010 quando era de apenas 10,6%. continuar lendo»
NOTICIAS DA SEMANA EM REVISTA

Confira aqui as reportagens mais interesssantes publicadas nas principais REVISTAS DO SETOR.

FIQUE ATENTO

O trabalho de motorista exige aptidão física e psíquica e, por isso, essa função não deve entrar no cálculo para se definir a cota de deficientes em uma empresa. O entendimento é do juiz Itamar Pessi, da 11ª Vara do Trabalho de Vitória, que julgou procedente o pedido de uma trans continuar lendo»
As empresas de transportes devem ficar atentas aos prazos para atualização e recadastramento no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC). continuar lendo»